ANA
ASTROLOGIA CLÁSSICA
& VIDA MODERNA
O ingresso de Júpiter em Gêmeos certamente movimentará alguns assuntos no contexto coletivo. Dada a natureza quente de ambos, é bastante provável que haja algum avanço. No entanto, isso também cria condições instáveis.

Particularmente, penso que os trânsitos têm menos impacto no comportamento pessoal e são mais relevantes para eventos naturais, políticos, científicos e assuntos pontuais que afetam as massas.

O impacto é ainda maior quando conseguimos relacioná-los com outros recursos astrológicos para uma compreensão completa.

Júpiter ingressa em Gêmeos no plano de fundo da carta de ingresso do Sol em Áries, posicionando-se na casa 6. Em 1°50’ de Gêmeos, temos o Lote das Chuvas de Al Biruni, e para o próximo quadrante as condições permanecem inalteradas. Em 20 de junho, a carta de ingresso do Sol em Câncer também terá o ascendente em Capricórnio, posicionando Júpiter novamente na casa 6 em Gêmeos, com o Lote das Chuvas nessa mesma casa. Isso indica novas chuvas e coloca novamente em destaque o tema da infraestrutura (casa 6), mas agora parece se deslocar para o nordeste.

Se compararmos com a última conjunção Júpiter-Saturno, veremos que este ingresso de Júpiter forma um trígono com o grau da conjunção, o que nos leva a temas científicos e políticos. Isso pode indicar um período de importantes descobertas científicas e ajustes políticos em questões críticas. Ontem mesmo (22 de maio de 2024), com Júpiter nos graus finais de Touro, mais países reconheceram o Estado Palestino. Será este um dos temas com dificuldades e resistência para aceitação dos que ainda não reconheceram?

É importante notar que este trânsito já começa com uma quadratura por signo com Saturno em Peixes. Apesar de haver uma recepção para Júpiter, ainda indica idealismo e possíveis decepções com aqueles ligados à religiosidade e espiritualidade, além de resistências a novos rumos, descobertas e assuntos políticos.

Temas mais flexíveis sobre moral e responsabilidades podem ser causas de polêmicas.

Será necessário estabelecer prioridades para conseguir integrar elementos diferentes.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa #jupiteremgemeos
O ingresso de Júpiter em Gêmeos certamente movimentará alguns assuntos no contexto coletivo. Dada a natureza quente de ambos, é bastante provável que haja algum avanço. No entanto, isso também cria condições instáveis. Particularmente, penso que os trânsitos têm menos impacto no comportamento pessoal e são mais relevantes para eventos naturais, políticos, científicos e assuntos pontuais que afetam as massas. O impacto é ainda maior quando conseguimos relacioná-los com outros recursos astrológicos para uma compreensão completa. Júpiter ingressa em Gêmeos no plano de fundo da carta de ingresso do Sol em Áries, posicionando-se na casa 6. Em 1°50’ de Gêmeos, temos o Lote das Chuvas de Al Biruni, e para o próximo quadrante as condições permanecem inalteradas. Em 20 de junho, a carta de ingresso do Sol em Câncer também terá o ascendente em Capricórnio, posicionando Júpiter novamente na casa 6 em Gêmeos, com o Lote das Chuvas nessa mesma casa. Isso indica novas chuvas e coloca novamente em destaque o tema da infraestrutura (casa 6), mas agora parece se deslocar para o nordeste. Se compararmos com a última conjunção Júpiter-Saturno, veremos que este ingresso de Júpiter forma um trígono com o grau da conjunção, o que nos leva a temas científicos e políticos. Isso pode indicar um período de importantes descobertas científicas e ajustes políticos em questões críticas. Ontem mesmo (22 de maio de 2024), com Júpiter nos graus finais de Touro, mais países reconheceram o Estado Palestino. Será este um dos temas com dificuldades e resistência para aceitação dos que ainda não reconheceram? É importante notar que este trânsito já começa com uma quadratura por signo com Saturno em Peixes. Apesar de haver uma recepção para Júpiter, ainda indica idealismo e possíveis decepções com aqueles ligados à religiosidade e espiritualidade, além de resistências a novos rumos, descobertas e assuntos políticos. Temas mais flexíveis sobre moral e responsabilidades podem ser causas de polêmicas. Será necessário estabelecer prioridades para conseguir integrar elementos diferentes. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa #jupiteremgemeos
15 horas ago
View on Instagram |
1/4
O tema da amizade geralmente é analisado segundo os assuntos da casa XI. Alguns astrólogos examinam posições específicas, mas Ptolomeu aborda o tema comparando cartas astrológicas, de maneira similar a uma sinastria simplificada.

Segundo ele, as amizades tendem a ser mais duradouras e indissolúveis quando, ao comparar ambas as cartas, encontramos Sol, Lua, Ascendente e Lote da Fortuna nos mesmos signos, em signos compatíveis ou em recepções mútuas. Se todos ou a maioria desses elementos estiverem alinhados dessa forma, a amizade será fácil, segura e indissolúvel.

Quando esses elementos estão em signos disjuntos (que não possibilitam nenhum aspecto maior entre si) ou opostos, produzem inimizades profundas ou desavenças.
Se eles não estiverem posicionados nessas formas, mas apenas em signos que fazem aspectos uns com os outros, se estiverem em trígono ou sextil, promovem simpatias menores; se em quadratura, geram antipatias menores.

Ptolomeu também menciona que os períodos de maior movimento ou silêncio, bem como de conversas mais frequentes, ocorrem quando os planetas maléficos ou benéficos transitam sobre esses pontos. Quando os benéficos transitam por esses pontos, significam paz nas amizades e tréguas em desavenças. Quando os maléficos transitam por esses pontos, podem gerar discussões temporárias em amizades sólidas ou crises profundas em amizades menos sólidas.

Quando apenas os luminares estão em conformidade com o mencionado acima, as amizades são baseadas em escolhas. Quando apenas os ascendentes ou o Lote da Fortuna estão alinhados, as amizades são formadas a partir de prazer.

É importante notar que há diversas abordagens astrológicas para o mesmo tema, e cada uma pode oferecer diferentes perspectivas que aprofundam o delineamento. Estas variações permitem uma compreensão mais rica e detalhada dos assuntos.

#astrologia #astrologiaclassica  #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
O tema da amizade geralmente é analisado segundo os assuntos da casa XI. Alguns astrólogos examinam posições específicas, mas Ptolomeu aborda o tema comparando cartas astrológicas, de maneira similar a uma sinastria simplificada. Segundo ele, as amizades tendem a ser mais duradouras e indissolúveis quando, ao comparar ambas as cartas, encontramos Sol, Lua, Ascendente e Lote da Fortuna nos mesmos signos, em signos compatíveis ou em recepções mútuas. Se todos ou a maioria desses elementos estiverem alinhados dessa forma, a amizade será fácil, segura e indissolúvel. Quando esses elementos estão em signos disjuntos (que não possibilitam nenhum aspecto maior entre si) ou opostos, produzem inimizades profundas ou desavenças. Se eles não estiverem posicionados nessas formas, mas apenas em signos que fazem aspectos uns com os outros, se estiverem em trígono ou sextil, promovem simpatias menores; se em quadratura, geram antipatias menores. Ptolomeu também menciona que os períodos de maior movimento ou silêncio, bem como de conversas mais frequentes, ocorrem quando os planetas maléficos ou benéficos transitam sobre esses pontos. Quando os benéficos transitam por esses pontos, significam paz nas amizades e tréguas em desavenças. Quando os maléficos transitam por esses pontos, podem gerar discussões temporárias em amizades sólidas ou crises profundas em amizades menos sólidas. Quando apenas os luminares estão em conformidade com o mencionado acima, as amizades são baseadas em escolhas. Quando apenas os ascendentes ou o Lote da Fortuna estão alinhados, as amizades são formadas a partir de prazer. É importante notar que há diversas abordagens astrológicas para o mesmo tema, e cada uma pode oferecer diferentes perspectivas que aprofundam o delineamento. Estas variações permitem uma compreensão mais rica e detalhada dos assuntos. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
4 dias ago
View on Instagram |
2/4
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”.

Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores.

Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço.

Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas.

As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados.

Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”. Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores. Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço. Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas. As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados. Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
1 semana ago
View on Instagram |
3/4
Oi pra todos!

Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos.

Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso.

Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. 

Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
Oi pra todos! Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos. Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso. Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
2 semanas ago
View on Instagram |
4/4

Search

Toda vez que a Grécia antiga é mencionada, a maioria das pessoas pensa automaticamente sobre a democracia, os Jogos Olímpicos, a mitologia, a filosofia, a tecnologia e várias ciências como a matemática e a astronomia. Parece que muito poucos não estão conscientes de que os antigos gregos também eram místicos, apesar do seu pensamento lógico. Isso talvez explique por que foram os gregos que moldaram o sistema de astrologia na sua forma moderna, embora o primeiro sistema organizado de astrologia surgisse durante o 2º milênio A.C, na Babilônia.

Os babilônios foram os primeiros a aplicar sistematicamente os mitos às constelações e astrologia, e descrever os doze signos do zodíaco. Os egípcios seguiram pouco depois refinando o sistema babilônico de astrologia, mas foram os gregos que o moldaram em sua forma moderna. Os gregos emprestaram alguns dos seus mitos dos babilônios e criaram os seus próprios. Para esse assunto, até mesmo a palavra astrologia – assim como a ciência da astronomia – é derivada da palavra grega para a estrela, “asteri”. Mas como e quando os gregos foram introduzidos pela primeira vez na astrologia?

Durante a conquista da Ásia por Alexandre o Grande, os gregos foram eventualmente introduzidos nas culturas desconhecidas e esquemas cosmológicos da Síria, da Babilônia, da Pérsia e da Ásia Central. Não demorou muito para que os gregos ultrapassassem o roteiro cuneiforme como a língua internacional da comunicação acadêmica, e parte dessa ação foi a tradução da astrologia do cuneiforme para o grego.

Cerca de 280 aC, Berossus, sacerdote de Bel, da Babilônia, viajou para a ilha grega de Kos, onde acabou ensinando astrologia e cultura babilônica às populações locais. Esta foi a primeira vez que o mundo da astrologia foi transferido oficialmente para o mundo helenístico (e este para o ocidental) da Grécia e do Egito que estava sob o domínio grego na época. Inicialmente, os gregos antigos que eram conhecidos por sua maneira lógica de pensar eram céticos sobre a astrologia e se perguntavam sobre muitas coisas, como por que os animais não eram governados pelos mesmos poderes cósmicos que os humanos, por exemplo.

Em 331 aC, Alexandre, o Grande fundou a cidade de Alexandria. Isto marca o início do período greco-romano na história do Egito. Alexandria tornou-se uma das mais famosas capitais helenísticas. O helenismo é o termo que descreve o modo de vida grego. O povo de Alexandria manteve parte de sua cultura egípcia, mas se misturou com a dos gregos, romanos, macedônios, persas, sírios, judeus e caldeus. Quando o Império Romano começou seu declínio, Alexandria conseguiu manter seu prestígio como centro de atividades culturais.

A astrologia horoscópica apareceu pela primeira vez no Egito helenístico. O texto grego existente mais antigo, usando a divisão babilônica do zodíaco em doze signos de trinta graus iguais, é o Anaphoricus de Hypsicles de Alexandria em 190 aC. Além disso, o “Zodíaco de Dendera” esculpido – um baixo relevo do teto dos pronaos de uma capela dedicada a Osiris no templo Hathor em Dendera, contendo imagens de Taurus e Libra datando de 50 aC – é a primeira descrição conhecida da Zodíaco clássico de doze signos.

Um papel muito importante no desenvolvimento da astrologia horoscópica ocidental foi desempenhado pelo matemático grego, astrólogo e astrônomo Ptolomeu, cujo trabalho Tetrabiblos lançou os alicerces da tradição astrológica ocidental. Sob Ptolomeu, os planetas, as casas e os signos do zodíaco foram explicados pela primeira vez com grande detalhe, e sua função definida não mudou muito em comparação com o presente. Ptolomeu viveu no século II dC, três séculos após a teórica descoberta da precessão dos equinócios por Hiparco em torno de 130 aC.

 

Biografias

Claudius Ptolomeus

Vettius Valens

Dorotheus de Sidon

Marcus Manilius

Paulus Alexandrinus

Julius Firmicus Maternus

Rethorius do Egito

Nechepso e Petosiris

 

 

Leave a Comment