ANA
ASTROLOGIA CLÁSSICA
& VIDA MODERNA
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”.

Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores.

Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço.

Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas.

As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados.

Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”. Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores. Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço. Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas. As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados. Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
5 dias ago
View on Instagram |
1/4
Oi pra todos!

Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos.

Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso.

Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. 

Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
Oi pra todos! Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos. Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso. Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
7 dias ago
View on Instagram |
2/4
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o.

A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema.

No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo!

Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”.

Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção.

Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente.

Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior).

O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção.

E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano.

#astrologia #astrologiaclassica
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o. A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema. No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo! Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”. Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção. Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente. Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior). O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção. E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano. #astrologia #astrologiaclassica
2 semanas ago
View on Instagram |
3/4
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas.

Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas.

Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo.

O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries.

Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas:

Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter)
Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas
Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa.
Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. 

Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu).

O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. 

Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas. Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas. Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo. O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries. Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas: Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter) Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa. Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu). O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
2 semanas ago
View on Instagram |
4/4

Search

A expansão do Império Islâmico começou em 622 dC com a fuga do profeta Maomé de Meca. Em um século, o Império Islâmico dominou todo o Oriente Médio e se estendeu para o leste do norte da Índia até as fronteiras da China e para o oeste pela Ásia Menor, norte da África e – com a conquista árabe da Espanha e da Sicília – na própria Europa.

Quando o período de conquista militar acabou, os eruditos islâmicos se tornaram entusiastas admiradores das conquistas intelectuais e culturais das grandes civilizações do passado. A astrologia entrou na tradição islâmica a partir de três direções: Pérsia, Índia e Grécia.

O primeiro grande texto astrológico a ser traduzido para o árabe veio da Índia. Este foi o Siddhanda, traduzido em Bagdá por volta de 770 e conhecido pelos árabes como o Sindhind. Mesmo assim, a contribuição grega para a astrologia árabe foi de longe a mais importante.

As conquistas de Alexandre, o Grande, espalharam a civilização grega por todo o mundo antigo; consequentemente, as ideias gregas influenciaram poderosamente a astrologia indígena da Pérsia e da índia. O grande centro cultural de Alexandria no Egito – o “centro do mundo” nos tempos helenistas caiu para os árabes em 642 e os milhares de manuscritos preservados em sua famosa biblioteca abriram o legado intelectual da Grécia para estudiosos islâmicos.

No início do século IX, al-Ma’mun, o califa de Bagdá, fundou uma academia chamada Casa da Sabedoria, que se tornou o centro de um projeto ambicioso para traduzir todos os textos sobreviventes da antiguidade para o árabe. A física de Aristóteles, a astronomia de Hiparco e a astrologia de Ptolomeu revolucionaram a ciência islâmica.

O fundamento filosófico para a astrologia árabe foi estabelecido por al-Kindi (d.866), tutor e médico de al-Ma’mun e considerado como um dos homens mais eruditos de sua época. Baseando-se em idéias clássicas, al-Kindi desenvolveu uma filosofia de “simpatia cósmica” ligando o macrocosmo e o microcosmo. As correspondências entre as configurações celestes e os eventos na Terra demonstraram a inteireza da Criação, enquanto as teorias de Aristóteles e Ptolomeu forneceram uma estrutura científica respeitável. O fatalismo implícito na astrologia era amplamente compatível com os ensinamentos do Islã, que significa “submissão” à Vontade de Allah. O simbolismo astrológico tornou-se um elemento importante nas doutrinas esotéricas dos místicos sufis, embora os teólogos islâmicos mais ortodoxos argumentassem que, como Allah era todo-poderoso, a astrologia era irrelevante na melhor das hipóteses; na pior das hipóteses, era uma ilusão perigosa que beirava a mágica e a demoníaca. Objeções semelhantes foram levantadas por teólogos cristãos quando a astrologia começou a se infiltrar na Europa medieval através das universidades islâmicas da Espanha moura.

Praticamente todos os textos árabes que influenciaram a astrologia medieval permanecem em tradução latina, tornando-os inacessíveis para a maioria dos astrólogos de hoje. Uma rara exceção é o Livro de Instrução dos Elementos da Arte da Astrologia de al-Biruni, escrito em Ghaznah, Afeganistão, em 1029. Não foi entre os textos que surgiram na Europa medieval, e devemos nosso conhecimento atual a R. Ramsey A tradução de Wright, em 1934, de fontes persas e árabes. Embora al-Biruni não fosse uma influência direta sobre a astrologia europeia, ele era altamente considerado em todo o mundo islâmico por seus escritos enciclopédicos. Seu livro de astrologia apresentou um relato conciso dos métodos árabes contemporâneos em contraste com um panorama mais amplo da ciência e cultura islâmica do século XI. 

Fonte:

Campion, Nicholas, An Introduction to the History of Astrology, (ISCWA, 1982)

Arhat’s Project Hindsight has recently issued a translation of the Latin text of Al-Kindi’s On the Stellar Rays.

 

Clique nos nomes para ler a biografia dos principais astrólogos desta fase.

Teophilus de Edessa

Mâshâ’Allah

Omar Tiberiades

Abu Ma’shar

Alchabitius ou Al Qabisi

Al Biruni

Abraham Ibn Ezra

Leave a Comment