ANA
ASTROLOGIA CLÁSSICA
& VIDA MODERNA
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”.

Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores.

Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço.

Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas.

As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados.

Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”. Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores. Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço. Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas. As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados. Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
5 dias ago
View on Instagram |
1/4
Oi pra todos!

Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos.

Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso.

Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. 

Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
Oi pra todos! Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos. Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso. Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
7 dias ago
View on Instagram |
2/4
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o.

A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema.

No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo!

Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”.

Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção.

Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente.

Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior).

O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção.

E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano.

#astrologia #astrologiaclassica
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o. A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema. No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo! Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”. Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção. Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente. Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior). O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção. E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano. #astrologia #astrologiaclassica
2 semanas ago
View on Instagram |
3/4
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas.

Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas.

Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo.

O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries.

Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas:

Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter)
Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas
Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa.
Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. 

Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu).

O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. 

Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas. Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas. Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo. O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries. Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas: Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter) Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa. Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu). O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
2 semanas ago
View on Instagram |
4/4

Search

Muhammad ibn Ahmad al-Bîrûnî (973-1048?) Nasceu em um subúrbio de Khiva, a capital de Khwarizm, de onde seu nome (al-Bîrûn significa literalmente ‘o suburbano’).
Ele era uma espécie de erudito universal e, portanto, de certa forma, como Claudius Ptolomeu, embora fosse um astrônomo observacional. Ele passou vários anos na Índia, durante o qual ele aprendeu sânscrito e consultou com os principais astrônomos e astrólogos indianos. Ele não foi favorecido por seus conhecimentos ou por seus livros. Em sua Índia, ele caracterizou seu conhecimento astronômico como sendo “uma mistura de pérolas e esterco”, e ele diz que nunca encontrou um hindu que pudesse apontar as estrelas dos nakshatras no céu noturno.
Não se sabe muito sobre sua vida precoce, embora se diga que ele sabia pouco sobre seu avô e nada sobre seu pai. Quaisquer que sejam as circunstâncias de sua família, deve ter sido aparente desde cedo que al-Biruni era um notável estudioso e cientista. Ele parece ter se interessado em todos os ramos da aprendizagem, destacando-se particularmente na astronomia, matemática, física, história e medicina. Ele também era fluente em vários idiomas, incluindo turco, persa, sânscrito, hebraico e siríaco, além de árabe. Com a idade de 20 anos, al-Biruni escreveu vários artigos científicos aclamados e é conhecido por ter conversado e se correspondido com seu jovem contemporâneo ibn Sina (Avicena), cujos escritos se tornariam amplamente conhecidos na Europa.

Entre 1017 e 1030, al-Biruni viajou extensivamente pela Índia, coletando material para seu monumental levantamento da história, costumes e crenças do subcontinente. A Índia foi seu trabalho mais aclamado durante sua vida. Ele também produziu um importante trabalho sobre astronomia, conhecido como Canon Masudico, dedicado ao filho de Mahmud, Ma’sud. Diz-se que Ma’sud o recompensou com uma carga de elefantes de prata pelo Cânon, mas que al-Biruni o devolveu ao Tesouro. Como um trabalho técnico da astronomia medieval, o Cânon é notável pela aprovação de al-Biruni da teoria de que a Terra gira sobre seu eixo, o que sugere que os astrônomos árabes eram mais críticos das teorias de Aristóteles e Ptolomeu do que frequentemente se supõe. Ma’sud concedeu a al-Biruni uma pensão que lhe permitiu dedicar o resto de sua vida a seus estudos científicos e sua obra literária. Além dos Elementos da Astrologia, ele escreveu importantes livros sobre medicina, geografia e física e traduziu o Almagesto de Ptolomeu para o sânscrito. Ele morreu em Ghazna em 13 de dezembro de 1048, aos 75 anos.

Comments

  • João Paulo Daldegan

    Dizer que Cláudio Ptolomeu não era honesto e capaz me parece uma afirmação temerária. Quanto a não ser honesto, realmente não sei, mas quanto a não ser capaz, indubitavelmente essa afirmação não procede, já que Ptolomeu foi o continuador das teses de hiparco que levaram a descoberta da precessão de equinócios, conhecimento esse que teve como epicêntro mundial o trabalho de Ptolomeu. Esse trabalho com a precessão de equinócios levou ao aparecimento das Eras Astrológicas que hoje são tão conhecidas e afamadas ao ponto que foram celebradas até mesmo pelo psicólogo contemporâneo Carl Jung. Além disso, ele definiu o zodíaco astrológico como os astrólogos ocidentais têm hoje, além de ter criado o modelo geocêntrico de astronomia – que é o vigente na astrologia atual – e que foi paradigma científico por um milênio, monstrando-se muito eficiênte para aquela época – modelo esse que é usado na navegação até hoje! Ptolomeu foi um marco na astronomia e na astrologia e dizer que ele não foi astrônomo capaz parece uma afirmação improcedente. Todos os astrólogos ocidentais que vieram depois de Ptolomeu dialogaram com ele. Não faz sentido dizer que esse astrólogo não foi capaz tendo em vista o impacto de sua obra sobre astrologia e ciência antigos e contemporâneos.

    08/27/2020
  • João Paulo Daldegan

    Ana, desculpe meu comentário, mas alguns chamam Ptolomeu, inclusive, de “Pai da Astrologia Ocidental”. Por isso creio que Ptolomeu foi um dos grandes, não um charlatão ou estafador como muitos astrólogos contemporâneos são.

    08/27/2020
Leave a Comment