ANA
ASTROLOGIA CLÁSSICA
& VIDA MODERNA
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”.

Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores.

Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço.

Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas.

As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados.

Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”. Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores. Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço. Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas. As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados. Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
5 dias ago
View on Instagram |
1/4
Oi pra todos!

Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos.

Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso.

Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. 

Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
Oi pra todos! Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos. Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso. Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
7 dias ago
View on Instagram |
2/4
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o.

A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema.

No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo!

Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”.

Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção.

Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente.

Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior).

O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção.

E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano.

#astrologia #astrologiaclassica
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o. A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema. No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo! Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”. Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção. Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente. Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior). O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção. E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano. #astrologia #astrologiaclassica
2 semanas ago
View on Instagram |
3/4
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas.

Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas.

Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo.

O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries.

Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas:

Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter)
Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas
Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa.
Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. 

Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu).

O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. 

Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas. Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas. Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo. O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries. Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas: Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter) Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa. Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu). O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
2 semanas ago
View on Instagram |
4/4

Search

De todos os escritores árabes sobre astrologia, o mais imponente é Ja’far ibn Muhammad Abû Ma’shar al-Balkhî (c.787-886), conhecido no Ocidente como Albumasar.

Abu Ma ‘shar baseou-se em elementos de fontes astrológicas e filosóficas anteriores para compilar suas obras astrológicas: fontes como Masha’allah, Dorotheus, Valens e al-Tabari (Omar de Tiberíades). Ele foi um aluno de al-Kindi (ca. 796-873), que escreveu copiosamente sobre todos os assuntos, incluindo astronomia, astrologia e astrolábio. Al-Kindi criou uma nova linguagem filosófica árabe, extraída em grande parte dos escritos dos neoplatônicos, e através deles, Platão e Aristóteles. Foi al-Kindi que traduziu as obras de Aristóteles para o árabe, e o que hoje chamamos de “astrologia árabe” é realmente o corpo do aprendizado astrológico fortemente influenciado e moldado pelos gregos, e reunido por árabes, judeus e persas a partir do oitavo ano. para o século 12 em terras árabes.

.

Ele começou sua carreira como aluno do Hadith ou tradições do Profeta Muhammad, mas em seus 30 ou 40 ele desistiu e voltou sua atenção para a astrologia. Posteriormente, tornou-se famoso não só como a principal autoridade em astrologia, mas também como astrólogo do tribunal e um astrólogo profissional. Seu conhecimento do assunto foi enciclopédico. Alguns cinquenta livros são creditados a ele, 29 dos quais os mais conhecidos são The Great Conjunctions e The Great Introduction. A Grande Introdução ou Introductorius maior foi traduzida por João de Sevilha – sua tradução nunca foi impressa. Uma tradução inferior de Hermann da Caríntia foi publicada por Erhard Ratdolt em Augsburg em 1485 e novamente em 1489.

A Grande Introdução é exatamente o que seu título implica – um tratado elaborado e abrangente de astrologia. As Grandes Conjunções, ou De coniunctionibus, traduzidas por João de Sevilha, ed. por Johannes Angelus (Augsburg: Erhard Ratdolt, 1489) é um elaborado tratado de astrologia mundana com especial referência às conjunções de Saturno e Júpiter. Livro 1, o Capítulo 3 discute as conjunções que significam o advento dos profetas ou dos homens violentos [tiranos] e suas características.

Outro dos livros de Albumasar é um tratado geral sobre as Revoluções dos Anos de Natividades, ou o que agora são chamados de retornos solares. O texto árabe é preservado, como é uma tradução grega bizantina e uma tradução latina feita a partir do grego. Ainda outro livro com o mesmo título, mas um texto diferente é conhecido em latim; Começa, Omne tempus breve est operandi.

O Livro das Flores (que significa ‘seleções de escolha’ ou antologia) contém regras para interpretar o que agora é chamado de Ingresso Áries.

Estes pareceriam ser os livros mais antigos sobre os retornos solares conhecidos no Ocidente.

Fontes:

The Significations of the Planets – from Abu Ma’shar’s Great Introduction, translated by Benjamin Dykes.

Abu Ma’shar Al-Balkhi, Ja’far ibn Muhammad ibn ‘UMar al-Balkhi’ – David Pingree’s biography of Abu Ma’Shar published in Dictionary of Scientific Biography (1970).

C.U.R.A – Centre Universitaire de Recherche en Astrologie – Crated by Patrice Guinard

Leave a Comment