ANA
ASTROLOGIA CLÁSSICA
& VIDA MODERNA
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”.

Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores.

Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço.

Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas.

As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados.

Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente.

#astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
Não podemos simplificar a essência da dignidade planetária ao associá-la apenas ao “bom”, enquanto a debilidade é automaticamente interpretada como “mau”. Um equívoco comum é assumir que um planeta em sua dignidade irá manifestar apenas seus temas positivos, enquanto um planeta em debilidade sempre trará seus aspectos mais desafiadores. Uma abordagem mais precisa é entender que um planeta sempre representa os mesmos temas, independentemente do signo em que se encontra. Quando em sua dignidade, de acordo com a escala de poder, esses temas podem ser expressos com maior facilidade, mas quando em debilidade, sua expressão pode ser diferente e requerer mais esforço. Um planeta em seu domicílio está fortalecido, enfrentando os aspectos com outros planetas com maior vigor. Se os aspectos forem difíceis, ele os enfrentará com mais poder; porém, se estiver em sua debilidade, sua resposta será mais branda. O mesmo ocorre com os aspectos harmoniosos, onde um planeta em dignidade pode aproveitar melhor as oportunidades trazidas por outros planetas. As dificuldades nos temas de um planeta surgem quando ele está em aspecto desafiador com maléficos ou em uma posição cadente. Quando essas situações se combinam, os desafios podem ser ainda mais acentuados. Para os entusiastas da astrologia tradicional, convido-os a seguir-me aqui no Instagram ou no canal Astrologia Clássica no YouTube, onde oferecemos vídeos exclusivos semanalmente. #astrologia #astrologiaclassica #astrologiatradicional #anarodrigues_astrologa
5 dias ago
View on Instagram |
1/4
Oi pra todos!

Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos.

Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso.

Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. 

Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
Oi pra todos! Estamos enfrentando dificuldades para acessar a plataforma de cursos. Os desenvolvedores estavam realizando uma atualização grande na plataforma e ocorreu um erro que está impossibilitando o acesso à página do curso. Os técnicos estão trabalhando para restaurar o acesso, mas enquanto não finalizam temos um endereço alternativo que está disponível nos destaques aqui. Peço desculpas pelo inconveniente e conto com sua compreensão.
7 dias ago
View on Instagram |
2/4
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o.

A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema.

No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo!

Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”.

Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção.

Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente.

Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior).

O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção.

E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano.

#astrologia #astrologiaclassica
Hoje me deparei com uma dúvida de um aluno que estava lendo a Antologia de Valens e se sentiu perplexo com uma técnica apresentada no livro IV. Ele não conseguia identificar aquela técnica e os termos utilizados estavam confundindo-o. A Antologia de Valens não é uma leitura superficial, mas com familiaridade com a linguagem astrológica, é possível reconhecer facilmente o tema. No texto, Vettius Valens introduz alguns conceitos e recursos que podem esclarecer a técnica da Profecção. Era sobre Profecção que ele estava se referindo! Entretanto, não se preocupe se não encontrar o termo “Profecção” explicitamente na Antologia. Valens simplesmente a descreve como “transmissões”. Ele começa mencionando outras duas profecções que, para ele, são tão ou mais importantes do que a do ascendente. Valens afirma que se um planeta luminar na carta natal estiver em uma casa angular, especialmente o luminar da seita (Sol para mapas diurnos e Lua para os noturnos), ele tem influência sobre toda a vida do nativo, sugerindo assim a verificação da profecção. Seguindo a regra básica de profecção (um signo por ano de vida), podemos identificar várias profecções importantes para um período de um ano, não se limitando apenas à do ascendente. Valens também introduz os termos “transmissor” e “receptor”. O transmissor é o planeta que rege o signo da profecção durante o período. Por exemplo, se a Profecção do ascendente for em Libra, o transmissor seria Vênus. Ele observa que Vênus recebe a transmissão de Mercúrio (regente do período anterior). O receptor é um planeta que está no signo da Profecção. Em nosso exemplo, qualquer planeta em Libra seria um receptor durante o período de transmissão de Vênus. Valens sugere que, dependendo das condições do receptor, ele pode ser mais significativo para o período do que o próprio transmissor, assumindo assim uma forma de regente do ano. Quando houver mais de um planeta no signo da profecção, eles seguem uma ordem de recepção. E, é claro, Valens complica ainda mais o assunto ao introduzir a revolução solar, que pode adicionar regentes ao ano. #astrologia #astrologiaclassica
2 semanas ago
View on Instagram |
3/4
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas.

Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas.

Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo.

O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries.

Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas:

Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter)
Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas
Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa.
Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. 

Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu).

O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. 

Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
É realmente comovente testemunhar a situação dos nossos irmãos diante de catástrofes decorrentes das chuvas intensas. Mas será possível identificar tais eventos por meio da astrologia? A resposta é sim. No entanto, existem recursos bastante específicos para lidar com o tema das chuvas. Antecipar que as chuvas serão intensas em todo o mundo daqui a 10 anos devido a um trânsito ou eclipse não é uma previsão, tampouco uma profecia. Vivemos em um planeta de diversidade climática, e a longo prazo é quase certo que teremos chuvas intensas em alguma parte do globo. O ponto de partida são as técnicas da astrologia mundial. Podemos fazer observações precisas nas cartas de lunações, que são técnicas episódicas, abrangendo períodos curtos e calculadas para regiões específicas, ou nas cartas de ingresso. A quantidade de cartas necessárias varia de acordo com o ascendente no Ingresso do Sol em Áries. Nessas cartas, podemos observar os seguintes aspectos relacionados às chuvas: Aberturas de portais - aspectos ou conjunções entre planetas inferiores e superiores que têm domicílios opostos (Vênus - Marte, Lua - Saturno, Sol - Saturno, Mercúrio - Júpiter) Conjunções ou aspectos entre Lua e Júpiter, que indicam aumento das águas Observação da Parte Árabe das chuvas, as condições do seu regente e sua posição por casa. Além desses pontos, é possível observar trânsitos específicos para a carta de ingresso, ou eclipses na região. Na carta de ingresso do Sol em Áries 2024, duas das condições acima mencionadas aparecem: a quadratura entre Lua e Júpiter e o Lote das Chuvas na casa 6 (infraestrutura). Para identificar a região ou direção cardeal, observamos a triplicidade envolvida. Neste caso, a quadratura Lua a Júpiter em Touro (triplicidade da terra - tipicamente do sul de acordo com Ptolomeu). O ideal é delimitar o campo de ação, buscar uma técnica para uma localidade ou país específico e não depender apenas de trânsitos amplos sem uma referência da carta. Falei sobre a ocorrência de chuvas acima da média e previsões com a carta do ingresso em meu canal do Youtube. Este tipo de recurso está disponível no curso de Astrologia Mundial I na plataforma Aprender Astrologia.”
2 semanas ago
View on Instagram |
4/4

Search

A divisão do céu em 12 partes de 30 graus cada aconteceu por volta do séc V aC, na Mesopotâmia, sendo a formação do zodíado de 12 signos correspondente a esta divisão.

A cada 1 dos 12 signos são atribuídos 30 graus. Como consequência desta divisão, muitas outras foram estabelecidas durante a fase grega. As mais conhecidas são os termos, divisão dos 30 graus em 5 partes desiguais, e as faces, divisão dos 30 graus em 3 partes de 10 graus.

Outras menores foram perdidas ao longo da história da Astrologia, mas felizmente devido à retomada da Astrologia Clássica com novos textos traduzidos, podemos reaprender a Astrologia.

Vamos falar aqui da subdivisão de cada um dos 30 graus por regência planetária. Quando estudamos astrologia um dos primeiros passos é a compreensão dos domicílios planetários, um diurno e um noturno para cada um dos cinco planetas, e um para cada luminar. Deste forma temos:

Esta atribuição é explicada com o esquema do Thema Mundi, o mapa do Universo, que não é objeto deste estudo.

Outra maneira de atribuir regência é pelos grupos de triplicidades. Para cada triplicidade, a princípio é atribuído um regente diurno (para um mapa cujo Sol esteja acima do horizonte), e outro para o mapa noturno (com o Sol abaixo do horizonte). Assim, no esquema de regência de Dorotheus de Sidon temos um regente diurno, um noturno e um participante.

FOGO ………. SOL ………. JÚPITER ……. SATURNO

TERRA ……….. VÊNUS ……….. LUA ……… MARTE

AR …… SATURNO ……… MERCÚRIO ……… JÚPITER

ÁGUA …….. VÊNUS ………. MARTE…… LUA

A Monomoiria

Monomoiria é uma palavra de origem grega que significa “Um grau”, Mono (Um), e Moira (grau). Era uma forma de medir a dignidade do planeta, citada por Vettius Valens e mais adiante por Paulus Alexandrinus, conforme Robert Schimidt nos diz no Project Hindsight. Otto Neugebauer também citou esta possibilidade em uma publicação para o THe American Philosophical Society em 1987.

Existem duas maneiras de atribuir um regente para um grau. Além de todos os regentes que ele tiver por direito no domicílio, na exaltação, na triplicidade, no termo e na Face, cada grau especificamente recebe um regente particular.

Na forma mencionada poucas vezes Vettius Valens, no meu ponto de vista a mais simples nós temos, o primeiro regente é o planeta regente do signo em questão, e segue na ordem dos caldeus (do planeta mais distante na esfera celeste – Saturno, para o mais próximo – Lua). Ex. O primeiro grau de Áries tem o regente Marte, o segundo tem o Sol, o terceiro tem Vênus, o quarto Mercúrio, o quinto tem a Lua, o sexto tem Saturno e assim por diante.

Paulus Alexandrinus cita o sistema de Valens em Introducion no capítulo 32 da edição Ed Boer de 1958, mas acrescenta outro ponto de vista, utilizando as regências das triplicidades.

Neste esquema por triplicidades, o primeiro passo é identificar a seita da carta, e a partir daí selecionar o regente da triplicidade adequadamente.

Como indiquei na tabela acima, há um regente da triplicidade para a carta diurna, e outro para a carta noturna.

Assim, no exemplo de 1 grau de Áries, precisamo primeiro saber a seita. Se for diurna o regente do grau 1 é Sol, e se for noturna é Júpiter. Depois seguimos no mesmo sentido para os regentes das demais triplicidades, considerando a ordem das triplicidades como fogo, terra, ar e água.

  • Paulus Alexandrinus atribui Marte como regente da triplicidade da água diurna e noturna, diferente de Dorotheus de Sidon, mencionado na tablea inicial.

Como utilizar a Monomoiria

É uma forma pormenorizada de diferenciação por posição de um ângulo, ou planeta. Pode ser utilizada para refinar a análise de uma carta natal, como também para diferenciar cartas de irmãos gêmeos, pois a cada 4 minutos do relógio, temos um grau de ascenção reta. Com 4 minutos de diferença nos nascimentos dos gêmeos podemos diferenciar características do signo ascendente, do Meio do Céu, e das demais casas no sistemas de divisão por quadrantes (Placidus, Alcabitius, Koch,etc)

No estudo de Ema Kurent, ela cita algumas obervações importantes no uso da Monomoiria.

  • Quando um planeta surge muitas vezes como monomoiria de outros planetas ou ângulos. Por exemplo, muitos planetas na Monomoiria da Lua. Neste caso observamos a própria condição da Lua na carta (natureza, poder e força) para compreender o efeito que ela tem sobre os planetas e ângulos em sua Monomoiria.
  • Quando um planeta está em sua própria Monomoiria, o que seria como uma dignidade
  • Para compreender vitalidade observando a monomoiria do Sol. Mas podemos verificar a monomoiria do Hyleg, do Almuten Figuris, do Lot da Fortuna, da SAN ….

Como é uma dignidade específica do grau pode ter um efeito maior como dispositor do grau para os planetas e ângulos.
Pode parecer complexo, e “mais um atributo a analisar”, mas é muito útil especialmente nos casos em que temos dúvidas no caminho a seguir do julgamento da carta, pode iluminar um ponto cego na análise.

Fontes:

VETTIUS VALENS, Anthologies

PAULUS ALEXANDRINUS, Introduction – Ed Boer

ROBERT SHIMIDT, Project Hindsight

EMA KURENT, DFAstrolS, QHP, CMA – Monomoiria, Essential Dignity by degree

Leave a Comment